Leia atentamente a embalagem da pasta de dentes

embalagem-pasta-dentes-1-758x396

 

Contrariamente ao que seria de supor, o flúor é uma neurotoxina perigosa. Essa é uma afirmação do jornal estadunidense The Lancet, uma das publicações da área da saúde mais conceituadas em todo o mundo.

De acordo com o jornal The Lancet, o nível de toxicidade do flúor é equivalente ao de matérias como o arsênio, o mercúrio e até o chumbo. Para chegar a essas conclusões, os investigadores analisaram cidadãos de regiões onde a água é fluoretada (ou seja, a água que contém flúor). Tal e qual como acontece no Brasil.

Como o flúor envenena a atividade cerebral

Esse estudo desenvolvido por dois investigadores de Boston e outro de Nova Iorque concluiu que o flúor causa danos cerebrais. Entre eles podemos contabilizar a falta de atenção, a hiperatividade, e outras incapacidades de teor neurológico como a dislexia ou o autismo.

No decorrer da investigação foram analisadas crianças e mulheres em fase de gestação. Mas não é só para essas duas categorias que o perigo se manifestou mais forte. De acordo com esses especialistas, é durante a infância e a adolescência que os organismos se encontram mais vulneráveis. Isso não significa que os adultos estejam imunes aos efeitos nocivos do flúor. Pelo contrário. Até o QI pode ser afetado até mais ou menos 7 pontos do valor original.

Um embuste chamado flúor

Crescemos a viver ouvindo dizer que o flúor faz bem para a nossa dentição. É essa a propriedade que os produtos dentífricos reforçam para nos aliciar. Acontece que o flúor que constitui a água que bebemos e usamos para cozinhar, e que faz parte da composição dos produtos dentífricos é altamente prejudicial.

Quem diz é Christopher Bryson, autor do livro The Fluoride Deception (algo como “o flúor enganoso”). Esse investigador entende que o flúor é utilizado na produção de armamento nuclear, e que a sua suposta utilidade a nível da saúde oral não passa de um embuste para justificar a existência dos lugares que fabricam a substância. Para corroborar essa teoria Bryson aponta o exemplo da Irlanda, onde a inclusão do flúor foi proibida.

O livro The Fluorine Deception hoje tem até versão em documentário. Durante o filme são mostrados selados de investigadores que viram a sua carreira arruinada por tentarem divulgar ao mundo os perigos originados pelo flúor.

É por isso que é urgente alertar para a questão da água fluoretada. Nos Estados unidos, especialistas da área da saúde juntaram as suas formas e submeteram um documento às autoridades, alertando para os malefícios dessa substância e exigindo que ela deixasse de estar nas águas. Um dos assinantes foi o Dr. Arvid Carlsson, que em 200 foi laureado com o Nobel da Medicina. Esta grande personalidade decretou que a fluoretação da água além de prejudicial é obsoleta.

Malefícios que o flúor causa no organismo

  • Redução do QI
  • Artrite e condições similares, como a fluorose dental
  • Possibilidade de desenvolver câncer ósseo
  • Debilitação do funcionamento da tireoide
  • Maior risco de fraturas dos ossos

Enquanto as autoridades não se focam nessa questão e não intercedem a favor da nossa saúde, deixando de fazer a fluoretação das águas, você pode pôr em prática uma técnica com manjericão-santo.

Aprenda a remover o flúor da água com manjericão santo

1. Coloque 2 litros de água filtrada num recipiente de vidro.

2. Junte um punhado de folhas de manjericão santo já higienizadas.

3. Deixe repousar durante 8 horas.

4. Passado esse tempo a água está pronta para ser consumida.

Mas os nossos ensinamentos não ficam por aqui. Segue-se uma dica que acreditamos muito útil. Vamos ensinar a fazer creme dental sem flúor.

Aprenda a fazer creme dental sem flúor

  • Corte uma porção bem pequena de babosa e remova o gel com a ajuda de uma colher.
  • Coloque na sua escova de dentes e escove como faz normalmente.
  • Como pode observar, o sabor não é desagradável e até faz espuma.
  • A pasta é excelente para aliviar a sensibilidade dentária e o sangramento das gengivas.

Confira o vídeo, alertando sobre os perigos do flúor no nosso organismo:

 

Você também vai gostar:

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.

*