Omeprazol: ele é um dos medicamentos mais populares que existe, porém ele é uma ameaça à saúde humana



Muita gente já usou Omeprazol para tratar problemas gástricos, mas acredite: ele pode ser uma verdadeira ameaça para a saúde humana.

Para se ter uma ideia, esse remédio é capaz de inibir o ácido gástrico, que é muito importante para o nosso corpo, pois regula a digestão. Contudo, ele é um medicamento silencioso. Se de um lado resolve o problema da queimação. Por outro lado traz seus efeitos colaterais. Que a longo prazo de tempo, pode desencadear muitos problemas para a saúde.

O ácido gástrico nos protege de vírus e bactérias, combatendo doenças causadas por intoxicação. Mas não para por ai, ele também causa dependência. Já que, para o tratamento de gastrite, costuma-se usá-lo várias vezes. Inclusive por mais de um ano.

Consequências do Omeprazol
As consequência desse medicamento a longo prazo podem ser das mais simples as mais adversas, confira uma lista abaixo:

– Anemia

– Depressão

– Demência

– Doenças neurológicas

Isso tudo pode ocorrer porque o remédio prejudica a absorção de vitamina B12, que está diretamente relacionada à produção de células vermelhas no sangue. Com a ausência dessa vitamina, começamos a ter fadiga, estresse e até insônia. Sabe o que isso significa?

Que Omeprazol pode prejudicar seriamente o sistema nervoso central, afetando completamente nossa saúde. Além disso, a droga também pode diminuir a absorção de cálcio, levando a fraturas, problemas ósseos e musculares.

Os idosos são as maiores vítimas dos efeitos colaterais desse remédio, muitos até passam a ter problemas respiratórios. Pesquisadores do Instituto Kaiser Permanente, nos Estados Unidos, publicaram um estudo sobre os perigos do remédio.

Eles observaram 26 mil pacientes por mais de dois anos e outra. Uma parte desses pacientes consumia Omeprazol; a outra nunca sequer experimentou a droga. O resultado foi muito preocupante.

Ao comparar os dois grupos, verificou-se que 65% das pessoas que tinham tomado Omeprazol por dois ou mais anos apresentavam um maior risco déficit de vitamina B12. O consumo diário implica um risco de 95% de apresentar carências.

O que fazer para reverter esse quadro?
Claro que você deve seguir o tratamento prescrito por seu médico. Mas há muitos remédios naturais que podem substituir o Omeprazol. E todos deviam saber disso.

Um desses remédios naturais que podem substituir Omeprazol é o suco de batata-inglesa. É bem simples. Você vai descascar uma batata-inglesa, ralar e depois espremer até sair o leite.


Tome uma colher em jejum ou trinta minutos antes das refeições. Este suco também pode ser consumido quando a pessoa sentir os incômodos da gastrite, pois alivia imediatamente os sintomas.

Para azia: tomar durante uma semana.

Para gastrite: tomar durante duas semanas.

Para úlcera: tomar durante um mês.

Outro excelente substituto natural de Omeprazol é o chá de espinheira-santa. Para fazê-lo, você vai precisar de:

1 colher de sobremesa de folhas secas de espinheira-santa

1 xícara (chá) de água

Modo de preparo:

Ferva a água e despeje-a sobre as folhas de espinheira-santa rasgadas em pedaços pequenos.

Abafe a mistura e deixe descansar por alguns minutos.

Depois que amornar, coe o chá e tome em seguida.

Tome uma xícara antes das refeições principais para proteger o aparelho digestivo e evitar a acidez estomacal.

Grávidas devem evitar tomar o chá de espinheira-santa, pois ele provoca contrações no útero, o que pode levar ao aborto.

Nosso site não substitui a figura de um médico, nossa tarefa é aquela de trazer conhecimento, divulgar tratamentos alternativos, porém nenhum medicamento, seja natural ou químico, deve ser consumido sem orientação de um médico.

Sobre o Omeprazol, de fato é um medicamento que traz inúmeras consequências para a saúde, portanto evita-lo seria uma ideia inteligente. Se você pode contornar a situação com tratamentos alternativos e naturais, porque não fazer?

Uma pesquisa da Universidade de Hong Kong e da University College London mostra que medicamentos o grupo de inibidores de bomba de próton (IBP), como Omeprazol, Pantoprazol e lansoprazol, podem aumentar em até 2,4 vezes o risco de desenvolver câncer de estômago. Essas drogas são muito utilizadas para tratar refluxo ácido, gastrite e úlceras estomacais.

A relação já havia sido identificada por acadêmicos, mas nunca em um estudo em que se eliminou uma bactéria que se suspeitava ser responsável pelo desenvolvimento da doença. Nesta pesquisa, eles recrutaram 63 mil adultos e compararam o uso do IBP a um outro medicamento, conhecido como H2, que também limita a produção de ácido estomacal. De acordo com os pesquisadores, depois que a bactéria Helicobacter pylori foi removida, o risco de câncer estomacal aumentou na mesma dosagem e duração do tratamento com medicamentos antirrefluxo.

Os participantes selecionados foram tratados entre 2003 e 2012 e depois acompanhados por cientistas até desenvolverem câncer de estômago, morrerem ou chegarem ao final do estudo, em 2015. Durante esse período, 3.271 pessoas receberam IBP por quase três anos, enquanto 21.729 participantes tomaram bloqueadores de H2. Um total de 153 pessoas desenvolveram câncer de estômago e o estudo mostrou que, enquanto os bloqueadores de H2 não aumentaram o risco de câncer no estômago, os IBPs mais do que dobraram as chances.